Projectos Científicos
Imprimir documento


Inventário do Património em Azulejo do Século XVIII em Território Continental. Constituição de Repertórios Iconográficos

Data de início do projecto: 2004
Data de fim do projecto: 2007
Este projecto foi financiado no âmbito do concurso de projectos da FCT de 2002 (POCTI/HAR/45609/2002), cabendo à RTEACJMSS a informatização dos dados e a publicação dos resultados na internet.

Investigador principal:
Alexandra Gago da Câmara (UAb)
 
Instituição proponente:
Universidade Aberta- Centro de Estudos Históricos e Interdisciplinares

Instituições participantes:
Museu Nacional do Azulejo
Universidade de Évora - Centro de História de Arte
Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra - Instituto de História de Arte
Faculdade de Letras da Universidade do Porto- Dep.Ciências e Téc. Patrimonio
Universidade do Algarve

Investigadores:
Fausto Santos Martins, Francisco Ildefonso da Claudina Lameira, José Alberto Simões Gomes Machadoo, Maria José P. Ferro Tavares, Nelson Correia Borges, Pedro Dias, António Celso Huyady Mangucci, Inês Isabel Mateus da Silva Feliciano, Jorge Manuel de Oliveira Rodrigues, Paulo Henriques, Teresa Campos

Data de início do projecto: 2004
Data de fim do projecto: 2007

Sumário:
Utilizado com caracter monumental desde o século XVI, o Azulejo é um elemento central da Cultura artística em Portugal, rica e vasta memória patrimonial do nosso país, assumindo - com especial incidência especificamente no século XVIII - um sentido mais alargado do que o revestimento simples da arquitectura, modelador e regularizador, sendo entendido como expressão artística maior, transmissor de ideias através das imagens.

Para o estudo analítico desta Arte exige-se um método sistemático de trabalho, com o inventário tanto do azulejo como peça cerâmica isolada como integrada em arquitecturas.

A partir deste inventário podem-se levantar uma infinidade de questões ligadas, por exemplo,  à origem, evolução histórica e funções decorativas e iconográficas, procurando integrar este fenómeno cultural no conjunto de manifestações artísticas nacionais.

Constituía-se deste modo um fundamental instrumento de trabalho com evidente utilidade para Historiadores de Arte, Ceramólogos ou não, Conservadores, Conservadores- Restauradores, Comissários de exposições, e Investigadores das mais diferentes áreas, entre a Arte e a Química.

Para além desta, aponta-se um outro factor de essencial importância que é a documentação do património, instrumento primeiro para a sua Preservação e Classificação.

Os estudos com este caracter de inventariação sistemática ficaram-se a dever ao investigador João Miguel dos Santos Simões que publicou elencos quase sistemáticos para os séculos XVI e XVII, obras de referência ainda de grande actualidade para os investigadores, e um elenco para o século XVIII, obra publicada postumamente, útil como instrumento de trabalho mas com graves e compreensíveis omissões de informação.

Assim o século XVIII surge como um período com maior carência de investigação, lacuna grave dado tratar-se de um dos mais ricos em imaginário e abundantes em obras de azulejo.

Como balizas cronológicas para este inventário adoptou-se o ano de 1691, ano de datação dos painéis da Capela de Nossa Senhora da Conceição, Barcarena, Oeiras, uma das primeiras obras de Gabriel del Barco, autor inicial do Ciclo dos Mestres que constitui matriz para o século XVIII, e 1822, início da Monarquia Constitucional, data de referência para o encerramento de um ciclo de estéticas ligadas ao século XVIII, e início de novas práticas no uso do azulejo, nomeadamente os revestimentos de fachada.

Pretendendo-se o iniciar de um inventário do património em Azulejo do século XVIII, optou-se neste momento, por razões de efectiva capacidade de realização do projecto, ao território continental de Portugal, não se esquecendo contudo a importância que teria para este inventário o levantamento da azulejaria o território insular e o do Brasil.

Acreditamos que este projecto poderá, à luz do estado actual da Historiografia e com acesso a novas tecnologias, trazer novas metodologias e conteúdos.



Aceder aos dados do projecto inseridos no  Sistema de Referência e Indexação de Azulejo Az Infinitum

« voltar