Palácio dos Condes de Óbidos [Lisboa]


Visualização Hierárquica

Número:
IAPCLX0010

Designação:
Palácio dos Condes de Óbidos

Outras designações:
Função - Cruz Vermelha Portuguesa
Histórica - Palácio dos Condes de Óbidos

Tipologia:
Arquitectura civil\Palácio

Projecto:
IAPC - Inventário Azulejar em Portugal Continental

Descrição:
Propriedade da família Mascarenhas que, em 1629, doou parte dos terrenos à Ordem Hospitaleira de São João de Deus (antigo Hospital actualmente propriedade da Guarda Nacional Republicana), o imponente palácio encontra-se implantado, sobranceiro ao Tejo, sobre a Rocha do Conde de Óbidos. A sua construção teve início no segundo quartel do século XVII, mas foi o 1º Conde de Óbidos, D. Vasco de Mascarenhas, quem impulsionou verdadeiramente os trabalhos, continuados pelo filho, D. Fernando Martins Mascarenhas. Danificado pelo Terramoto de 1755, conserva, no entanto, a fachada nobre, onde se observa o portal com as armas da família. No seu interior mantêm-se, ainda, alguns elementos seiscentistas e setecentistas, muito embora a campanha azulejar dos anos de 1710-1720 tenha sido parcialmente substituída por réplicas, numa intervenção ocorrida na década de 1940. O espaço foi adquirido em 1919 pela Cruz Vermelha Portuguesa, entidade que se mantém na sua posse, e, a partir da década de 1930, há notícia de várias campanhas de obras quer ao nível arquitectónico, quer ao nível decorativo, com pinturas, entre outros, da autoria de Gabriel Constante, também responsável por alguns dos novos painéis de azulejo. A ideia que poderá ter presidido à intervenção nos painéis de azulejo existentes no palácio deverá relacionar-se com a tentativa de recuperação ou de simulação dos originais, boa parte dos quais de temática mitológica.


Google Maps:



Link do Imóvel no Site do IHRU


Inventariante
- Rosário Salema de Carvalho (2010-07-19, Inserção da ficha)
- Rosário Salema de Carvalho (2010-11-09, Descrição)