Revestimento cerâmico do Salão Nobre
Hospital de São José
[Lisboa]


Visualização Hierárquica

Número:
CHSJ0501

Designação:
Revestimento cerâmico do Salão Nobre

Tipo de Património:
Azulejo

Classificação:
Revestimento cerâmico\figurativo

Descrição:
Sala de planta quadrangular, com duas portas simétricas e colocadas no mesmo eixo, a de entrada e uma outra que dá acesso à antiga sala do conservador (sala principal) da Biblioteca. O alçado do lado esquerdo é recortado por três janelas altas, com varanda de sacada em ferro forjado, abertas na fachada principal do edifício. Do lado oposto abre-se nova porta de acesso à actual Biblioteca. O revestimento azulejar da antiga Aula da Esfera, em tons de azul e branco, foi concebido e aplicado de forma contínua, organizando-se num silhar de doze azulejos de altura que percorre todo o perímetro do espaço, apenas sendo interrompido pela abertura dos diversos vãos. As cenas figurativas, oito no total, encontram-se aplicadas nos panos murários de maiores dimensões, relegando para as áreas mais reduzidas ou para os próprios vãos as figurações de cariz ornamental, retiradas das guarnições (parede 1, secção 1, 2, 3, 5, 6, 8, 9, 10, parede 2, secção 2, 3, parede 3, secção 2, 3, parede 4, secção 2, 3). A cada secção figurativa corresponde uma guarnição, cuja largura se adapta ao espaço disponível. Esta é determinada pela simulação de uma estrutura arquitectónica em perspectiva, formada por pilastras laterais, unidas pelo embasamento e pelo entablamento. As pilastras são constituídas por base, fuste e entablamento. A base apresenta motivos de acanto por entre cartelas de dimensão reduzida [reservas]. O fuste é marcado por uma moldura de estrias horizontais, com volutas sobrepostas, enrolamentos de acanto e asas de morcego, definindo uma cartela inferior em forma de coração invertido e outra, de maiores dimensões, irregular, ambas com motivos escamados no interior. Esta última exibe volutas a enquadrar um rosto de criança que, por sua vez, é rematado por um elemento em asa de morcego, do qual pendem festões que acompanham lateralmente a pilastra. No embasamento, repete-se a cadeia de elipses com florão inscrito já observado na base da pilastra. A enquadrar a cartela central, destacada por volutas e asas de morcego, surge uma nova base encimada por volutas, às quais se prendem festões.Superiormente, o entablamento, com cornija saliente em meia cana, decorada por folhas de acanto, é interrompido por uma cartela [reserva] central, também ela definida por volutas e festões, destacando-se um mascarão.


Proposta de leitura do programa iconográfico
Três dos painéis apresentam alegorias a determinadas matérias que, certamente, eram leccionadas no Colégio de Santo Antão-o-Velho, como por exemplo Geometria, Geografia, Astronomia, Óptica, Balística, entre outras. Num outro, surge a figura de Atlas coroado, segurando o globo terrestre. Nos restantes quatro painéis historiados, figuram cenas bélicas, umas terrestres e outras navais, sendo muito curioso o painel em que surge representado o episódio do cerco dos romanos a Siracusa e a sua defesa por Arquimedes, usando espelhos côncavos e o reflexo dos raios solares para incendiar as velas da esquadra romana.
In the they surprise no fax payday loan are a smaller taxes.




Cronologia

- 1735-00-00 | 1745-00-00 | Cerâmica\Século XVIII\Primeira metade\Grande Produção Joanina | c. 1740 [Revestimento]
Atribuído [José Meco - visita promovida pelo SOS Azulejo em 2009-11-07]




Autorias
- Valentim de Almeida - Pintor (Atribuído - José Meco - visita promovida pelo SOS Azulejo em 2009-11-07)




Iconografia
» 9 - Mitologia Clássica e História Antiga\91 - mitos sobre a criação: cosmogonia, teogonia e a origem do homem\91B - descendência de Urano e Gaia (Titãs, Ciclopes, Centimanos)\91B1 - Titãs\91B13 - filhos dos Titãs\91B136 - (história de) Atlas\91B1368 - (história de) Atlas - atributos
[Parede 1, secção 4]
Descrição: Secção representando a figura de Atlas. Numa paisagem dominada por árvores, uma ponte e, ao fundo, por montanhas, surge, em primeiro plano, uma figura masculina com um joelho por terra, segurando, sobre a cabeça, uma esfera celeste onde se observam os meridianos celestes e o equador. Encontra-se coberto por um manto aberto e preso sobre o peito com um nó. Na cabeça, ostenta uma coroa de louros. É possível tratar-se de uma representação de Atlas.

Localização: Parede 1, secção 4





» 4 - Sociedade, Civilização, Cultura\49 - educação, ciência e aprendizagem\49D - matemática
[Parede 1, secção 7]
Descrição: Secção representando uma alegoria à Geometria dos Sólidos. Sobre fundo campestre de frondosas árvores não identificadas, surgem representados quatro anjos meninos segurando sólidos geométricos. De cabelos encaracolados e desnudos, ostentam um pequeno panejamento que lhes cai pelas costas. Ao centro, estão sentados lado a lado, dois deles, ligeiramente inclinados para lados opostos. O da esquerda segura, entre as mãos, uma esfera que apoia no joelho direito flectido, parecendo observá-la com atenção. O anjo sentado junto dele apoia a mão direita sobre um cone parecendo segurar um lápis, e tem a mão esquerda levantada dirigindo o olhar nessa direcção. Do lado direito da composição, outro anjo com o joelho esquerdo no chão e o direito flectido e erguido, segura entre as mãos um cilindro que observa atentamente. Entre ambos, observam-se algumas folhas de papel, uma delas com o que parece ser o desenho de uma fortificação, e um compasso caídos no chão. No canto superior esquerdo, um anjo aponta para uma síntese dos três sólidos principais, onde pode ver-se uma esfera na qual estão inscritos um cilindro e um cone. Junto da boca do anjo surge uma filacteria com a inscrição: VNA TRIBVS RATIO EST.

Localização: Parede 1, secção 7





» 4 - Sociedade, Civilização, Cultura\49 - educação, ciência e aprendizagem\49E - ciência e tecnologia\49E1 - astronomia (e cosmografia)
[Parede 2, secção 1]
Descrição: Secção representando uma alegoria à Astronomia e à Geografia. Ao centro da composição destaca-se uma figura feminina sentada, simbolizando a Geometria. Ligeiramente inclinada para o lado esquerdo, dirige o olhar para o anjo que se encontra desse lado. Usa vestes longas, sandálias e um manto esvoaçante sobre os cabelos. Tem sobre o braço esquerdo um quadro ou uma tela onde estão desenhados um triângulo inscrito num círculo e segura um compasso com a mão direita. Entre os seu pés está caída uma bússola. Atrás, observa-se uma mesa com um microscópio e, ao lado, um nível. Três anjos meninos rodeiam esta figura, segurando vários instrumentos científicos. O da esquerda, de cabelos encaracolados e semi-nu com um panejamento que cai sobre o ombro esquerdo, segura um relógio de sol, que observa atentamente. Do lado direito, em pé, um anjo debruça-se sobre o globo terrestre e aponta para algo que aí se encontra. Ao seu lado no chão, sentado e coberto por panejamento, encontra-se um outro anjo, que, olhando para cima, segura na mão direita um círculo de Holanda, escondendo parcialmente um esquadro. Em primeiro plano, espalhados pelo chão, podemos ver, da esquerda para a direita: uma esfera armilar, um esquadro, uma régua, um compasso, um astrolábio náutico, um telescópio reflector, um compasso, um esquadro, [...] o que parece uma barrica], um desenho de uma fortaleza, um transferidor, um quadrante, um compasso de proporções, uma bússola, uma régua articulada, uma corrente topográfica, uma luneta, um báculo de Jacob ou balistilha e um globo alemão. Do lado esquerdo, em plano recuado, surge um instrumento tipo monocórdio, que pretende aludir às experiências matemáticas sobre medição de intervalos musicais levadas a cabo por Pitágoras e, do lado oposto, em terreno aberto, com uma paisagem fundeira fortificada, um homem usa um teodolito, ou seja, um instrumento de topografia, aos pés do qual parece poder distinguir-se um sino.

Localização: Parede 2, secção 1





» 9 - Mitologia Clássica e História Antiga\98 - história clássica\98B - personagens masculinas da história clássica\98B(...) - personagens masculinas da história clássica (com NOME)\98B(ARCHIMEDES) - (história de) Arquimedes
[Parede 2, secção 4]
Descrição: Secção representando uma cena alusiva aos Descobrimentos Portugueses. Parece composta por duas cenas distintas aqui reunidas sem preocupação com a continuidade visual e pictórica entre ambas. Assim, à esquerda da composição um anjo menino põe a funcionar um sistema de parafusos ligados por engrenagem que parece reproduzir uma máquina mecânica, cujo resultado é produzir nuvens que se elevam em torno desta estrutura. À direita, observam-se três embarcações, ostentando a bandeira com o escudo real português, que navegam num mar algo revolto, afastando-se do primeiro plano. Sobre a embarcação central surge a inscrição: "Por mares nunca d’antes navegados", numa referência aos Lusíadas de Luís Vaz de Camões e ao Canto I desta epopeia que narra os feitos históricos de Vasco da Gama e dos heróis lusitanos que descobriram o caminho marítimo para a Índia. No céu observam-se aves em voo.

Localização: Parede 2, secção 4





» 4 - Sociedade, Civilização, Cultura\45 - vida militar, assuntos militares\45K - cerco, posição de guerra\45K1 - fortificações, engenharia militar
[Parede 3, secção 1]
Descrição: Secção representando uma alegoria à arte da guerra. Representa o ataque a uma fortificação, com os exércitos de ambos os lados em pleno confronto na torre mais adiantada da localidade, mas onde os planos e a estratégia de ataque é discutida em primeiro plano, por vários nobres que observam plantas e desenhos. Do lado esquerdo observamos seis homens envergando jaqueta, meias e sapatos iguais, sendo que apenas três exibem chapéu. Dois estão a ver o mapa e um deles aponta para determinado ponto. Do lado esquerdo surgem onze homens, seis dos quais observam também um mapa, e os restantes cinco conversam com as armas na mão. Destes, todos têm chapéu, sendo o vestuário é idêntico ao já descrito. Entre os dois grupos observa-se, no chão, uma panóplia de instrumentos bélicos e musicais (trombetas e tambor) simbolizando o papel da música na arte da guerra. Em segundo plano, as muralhas desenvolvem-se à esquerda, deixando adivinhar, pelos telhados e torres, a cidade que se esconde atrás, bem come a população que, ao longo da linha defensiva, defende a localidade. Um grupo de homens armados sai pelo portão principal, ao encontro do inimigo que se precipita para a torre, distinguindo-se o movimento de ambos os grupos pela inclinação das armas e das bandeiras. Fora da fortificação, o exército atravessa a ponte e estende o seu acampamento em tendas, organizando ainda barricadas, disparando canhões e articulando-se em grupos de homens formando blocos com as armas e bandeiras ao alto. Os confrontos surgem também junto às margens do rio.

Localização: Parede 3, secção 1





» 4 - Sociedade, Civilização, Cultura\45 - vida militar, assuntos militares\45K - cerco, posição de guerra\45K1 - fortificações, engenharia militar
[Parede 3, secção 4]
Descrição: Secção representando uma alegoria à arte da guerra. Representa uma cidade duplamente fortificada, onde se distinguem vários grupos de homens armados, uns a pé e outros a cavalo (Equus caballus), bem como canhões a disparar entre si. Em primeiro plano, do lado esquerdo e no que parece ser um local sobre elevado em relação à cidade que se estende a seus pés, surgem três homens a cavalo, dois dos quais a tocar trombeta. Do lado direito, na extremidade do painel mas no mesmo plano elevado, observa-se o que parece ser um outro espaço fortificado, onde se agrupam homens armados e dois canhões a disparar. Estas figuras masculinas vestem jaqueta comprida, calções, meias e sapatos, a que acresce o chapéu. A cidade surge ao centro da composição, mais baixa e afastada, e circundada por montanhas longínquas. No lado esquerdo observa-se um acampamento com várias fileiras de tendas, canhões apontados à segunda linha de muralhas da cidade, que disparam lançando fumo, e vários grupos de homens armados com as espingardas e as bandeiras ao alto. À direita surgem novamente grupos de homens armados, uns em fila e outros formando quadrados, com as armas e bandeiras levantadas. Note-se que, à direita, as balas dos canhões estão prestes a atingir as muralhas. A cidade, mais atrás, conserva-se intacta, com o seu casario, cúpulas e torres, algumas das quais muito elevadas. Do seu lado esquerdo, ao fundo, observam-se árvores pertencentes à família das Cupressaceae e, do lado direito visualiza-se uma palmeira (Phoenix sp.).

Localização: Parede 3, secção 4





» 9 - Mitologia Clássica e História Antiga\98 - história clássica\98B - personagens masculinas da história clássica\98B(...) - personagens masculinas da história clássica (com NOME)\98B(ARCHIMEDES) - (história de) Arquimedes\98B(ARCHIMEDES)4 - relações agressivas de Arquimedes\98B(ARCHIMEDES)41 - durante o cerco a Siracusa Arquimedes incendeia os barcos dos inimigos com os seus espelhos
[Parede 4, secção 1]
Descrição: Secção representando o Cerco a Siracusa. A composição destaca a experiência principal aqui representada: num edifício fortificado ou numa torre, uma figura masculina segura um escudo com o qual reflecte a luz solar, provocando o incêndio de uma das embarcações que se aproximam da cidade. Antes da torre, do lado esquerdo, observa-se uma ponte com arcadas que separa o casario da área fortificada. Do lado direito surgem, para além da caravela em chamas, outras duas, a última das quais a grande distância. Em segundo plano, do lado esquerdo, a cidade desenvolve-se ao longo da costa e, ao longe, estendem-se montanhas. Do lado direito avistam-se outros barcos num mar um pouco revolto.

Localização: Parede 4, secção 1





» 4 - Sociedade, Civilização, Cultura\49 - educação, ciência e aprendizagem\49E - ciência e tecnologia\49E1 - astronomia (e cosmografia)
[Parede 4, secção 4]
Descrição: Secção representando uma alegoria à Matemática, Geometria e Cosmografia. Num cenário marcado por uma sucessão de arcos a pleno centro, com tijolo burro, abertos à paisagem fundeira dominada por um rio e por uma estrutura arquitectónica, à esquerda, de linhas rectas com panejamentos pendentes, surgem, em primeiro plano, três figuras femininas, coroadas. Discutem em torno de uma tela com representações de diagramas geométricos, possivelmente de Euclides. A primeira figura feminina, de joelhos e de costas para o observador, segura um conjunto de três chaves presas por argola e, na outra mão, uma espada ou punhal comprido, apontado para cima. Entre esta figura e a tela surge, no pavimento, uma bússola. Atrás, a figura da esquerda segura um astrolábio náutico e a da direita, sentada, desenha na tela com um compasso, ostentando um esquadro na outra mão. A primeira é coroada por estrelas e esta última exibe um pentagrama cuja sombra se projecta na parede. Num plano ainda mais atrás, um rosto feminino espreita sobre os ombros das restantes. À direita, um anjo menino afasta-se carregando molduras e um [...]. A tela é apoiada por dois anjos meninos, um deles sobre as costas e o outro segurando com ambas as mãos. O terceiro, mais afastado, segura um [...]. À esquerda, três anjos meninos afastam um tecido que cobria um globo terrestre. Um deles segura um [...] e o outro apoia um compasso sobre o globo, como se estivesse a medir algo. Em segundo plano e separado por uma balaustrada, um conjunto de pessoas reúne-se em torno de um homem que observa o céu através de uma luneta.

Localização: Parede 4, secção 4







Informação Técnica

Material
Matéria transformada\Produto cerâmico\Azulejo [Azulejo]


Técnica
Cerâmica de revestimento\Técnicas de decoração\Faiança\À mão livre [Azulejo]


Cor
Azul [Pintura]
Branco [Vidrado]




Bibliografia - Monografias


Inventariante
- Rosário Salema de Carvalho (2010-02-01, Inserção de ficha)
- Rosário Salema de Carvalho (2010-02-01, Descrição [secções 1_01, a 1_06, 1_08 a 1_10, 2_02, 2_03, 3_02, 3_03, 4_03, 4_04])
- Isabel Pires (2010-02-01, Descrição [secções 1_07, 2_01, 2_04])
- Catarina Figueiredo (2010-02-01, Descrição [secções 3_01, 3_04, 4_01])
- Luís Tirapicos (2010-06-22, Identificação dos instrumentos científicos)
- Samuel Guessner (2010-06-22, Identificação dos instrumentos científicos)
- Ana Maria Costa (2010-11-19, Identificação da fauna e flora)
- Rosário Salema de Carvalho (2011-03-29, Revisão)
- Rosário Salema de Carvalho (2011-02-15, Inserção e reestruturação da ficha)
- Luzia Rocha (2012-09-04, Identificação dos instrumentos musicais)



Imagens: 4