Revestimento cerâmico da capela
Hospital de Santo António dos Capuchos
[Lisboa]


Visualização Hierárquica

Número:
CHSC010601

Designação:
Revestimento cerâmico da capela

Tipo de Património:
Azulejo

Classificação:
Revestimento cerâmico\ornamental

Descrição:
O revestimento, em tons de azul e branco, preenche as paredes laterais da capela, configurando soluções idênticas, dispostas em espelho, ao nível dos enquadramentos que simulam estruturas arquitectónicas e se articulam com o espaço. Ao lado e sobre os vãos, observa-se, em cada secção, uma cartela com símbolos.

Cronologia

- 1730-00-00 | 1750-00-00 | Cerâmica\Século XVIII\Primeira metade\Grande Produção Joanina [Revestimento]
VELOSO; ALMASQUÊ - Hospitais Civis [...], p. 121




Iconografia
» 1 - Religião e Magia\11 - Religião cristã\11P - a Igreja (como instituição)\11P1 - representações alegóricas e simbólicas - a Igreja e a Religião
[Parede 1, secção 1]
Descrição: O revestimento do lado esquerdo [1] apresenta, ao lado do vão de acesso ao corredor intercomunicante, embasamento constituído por duas volutas de perfil, ligadas por base reentrante, e por entablamento com a mesma configuração. O primeiro exibe um toro decorado com imitação de pedraria e o segundo é decorado por flores na arquitrave e óvulos nos toros. As volutas ligam-se através de festão de flores que se sobrepõe à base, decorada por motivos de gradaria. Esta estrutura suporta, no registo seguinte, uma pilastra, à direita, com volutas e folhagem adossada, enquanto à esquerda se observa novo motivo de gradaria delimitado por voluta, que culmina num frontão, sobre o vão do corredor intercomunicante. Num plano mais recuado encontra-se o entablamento superior, saliente no prolongamento da pilastra direita e também do lado oposto, assim como ao centro, onde desenha uma secção curva. É decorado por flores e por folhagem nos toros. Nesta área, a ilusão de prolongamento da estrutura arquitectónica foi desenhada num azul muito ténue, que faz destacar, em primeiro plano, o medalhão elíptico, mas contracurvado, que pende do entablamento através de fita cruzada em laço com festões. No interior desta moldura surge a representação de duas palmeiras com a legenda "Castum Conjugium. / sed fructuo sum". O frontão que remata o vão do corredor, dignificando-o e conferindo uma maior monumentalidade à estrutura de cantaria, apresenta volutas laterais e no remate superior, estas convergindo para uma concha central. Servem ainda de suporte aos vasos de flores que se encontram nos flancos. O frontão é decorado por motivos de gradaria e por uma cartela elíptica com moldura de óvulos, da qual pendem dois festões, um para cada lado. No interior desta observa-se a imagem de uma parreira na qual se entrelaça um cacho de uvas e a legenda "Sanctum modo / ut fulcimentum".

Localização: Parede 1, secção 1





» 1 - Religião e Magia\11 - Religião cristã\11P - a Igreja (como instituição)\11P1 - representações alegóricas e simbólicas - a Igreja e a Religião
[Parede 2, secção 1]
Descrição: O revestimento do lado direito [2] apresenta, ao lado do vão de acesso ao corredor intercomunicante, embasamento constituído por duas volutas de perfil, ligadas por base reentrante, e por entablamento com a mesma configuração. O primeiro exibe um toro decorado com imitação de pedraria e o segundo é decorado por flores na arquitrave e óvulos nos toros. As volutas ligam-se através de festão de flores que se sobrepõe à base, decorada por motivos de gradaria. Esta estrutura é interrompida pela abertura de um nicho de secção quadrada, que procura continuar os motivos do revestimento cerâmico, com excepção do fundo, onde se observam exemplares disconexos: uma cabeça de anjo, dois azulejos de figura avulsa e um outro com folhas. Esta estrutura suporta, no registo seguinte, uma pilastra, à direita, com volutas e folhagem adossada, enquanto à esquerda se observa novo motivo de gradaria delimitado por voluta, que culmina num frontão, sobre o vão do corredor intercomunicante. Num plano mais recuado encontra-se o entablamento superior, saliente no prolongamento da pilastra direita e também do lado oposto, assim como ao centro, onde desenha uma secção curva. É decorado por flores e por folhagem nos toros. Nesta área, a ilusão de prolongamento da estrutura arquitectónica foi desenhada num azul muito ténue, que faz destacar, em primeiro plano, o medalhão elíptico, mas contracurvado, que pende do entablamento através de fita cruzada em laço com festões. No interior desta moldura surge a representação do sol e da lua, com a imagem reflectida num espelho quadrado de moldura recortada, com a legenda "Qualem accepi, / seddidi". O frontão que remata o vão do corredor, dignificando-o e conferindo uma maior monumentalidade à estrutura de cantaria, apresenta volutas laterais e no remate superior, estas convergindo para uma concha central. Servem ainda de suporte aos vasos de flores que se encontram nos flancos. O frontão é decorado por motivos de gradaria e por uma cartela elíptica com moldura de óvulos, da qual pendem dois festões, um para cada lado. No interior desta observa-se a imagem de um coração e a legenda "Vnum in Deo".

Localização: Parede 2, secção 1







Informação Técnica

Material
Matéria transformada\Produto cerâmico\Azulejo [Azulejo]


Técnica
Cerâmica de revestimento\Técnicas de decoração\Faiança [Azulejo]


Cor
Azul [Pintura]
Branco [Vidrado]




Bibliografia - Monografias


Inventariante
- Lúcia Marinho (2011-02-01, Inventariação in situ)
- Catarina Figueiredo (2011-02-01, Inventariação in situ)
- Ana Almeida (2011-02-01, Inventariação in situ)
- Rosário Salema de Carvalho (2011-02-01, Inventariação in situ)
- Isabel Pires (2011-02-01, Inventariação in situ)
- Rosário Salema de Carvalho (2011-05-11, Descrição)