Revestimento cerâmico da capela-mor
Hospital de Santa Marta
[Lisboa]


Visualização Hierárquica

Número:
CHSM010101

Designação:
Revestimento cerâmico da capela-mor

Tipo de Património:
Azulejo

Classificação:
Revestimento cerâmico\de padrão

Descrição:
Revestimento de azulejos formado por duas secções. A primeira localiza-se em redor do espaço que correspondeu ao altar-mor. Aplicada em silhar, é elaborada por azulejos policromos de vários elementos de padrões existentes no antigo Convento de Santa Marta. Apresenta remate rectilíneo com cercadura no limite superior. São identificáveis padrões pertencentes a várias tipologias, entre as quais o P-17-00462 e o P-17-01018 que formam, nas paredes do lado esquerdo, elementos de repetição de 2x2 azulejos. Na parede de topo elementos do P-17-01018 formam outras configurações, como elementos de repetição cruciformes ou de duplas aletas justapostas, apresentando lacunas de revestimento cerâmico em cerca de metade desta parede. Na parede lateral direita encontra-se um painel de azulejos enxaquetados policromos, composto por padrão com guarnição que contorna a lápide e delimita inferiormente o revestimento. O padrão pertence à tipologia P-17-01018 e é formado por módulo de 12x12 azulejos dispostos a meia-esquadria, constituído por uma grande variedade de motivos, que se organizam numa complexa composição de linhas diagonais, mas onde é dominante a presença repetida de três formas quadrangulares, dispostas sobre vértices. A guarnição é composta por barra vegetalista estilizada da tipologia B-17-00104 e friso com quadrifólios do tipo F-17-00039. O limite interior da guarnição apresenta ainda friso branco e vestígios do revestimento original elaborado pelo padrão P-17-00462.


Nota histórico-artística
O revestimento cerâmico da igreja de Santa Marta, que remonta, certamente, ao segundo quartel do século XVII, era muito mais vasto em relação ao que hoje se conhece. Não há certezas quanto à data de início da aplicação dos azulejos na capela-mor, mas sabe-se que, em 1638, a obra estava interrompida por falta de meios financeiros das religiosas. Foi a Irmandade de Nossa Senhora da Natividade que custeou a finalização do revestimento, em troca da capela com a mesma invocação (A.N.T.T., Ex-AHMF, Cartórios dos Conventos, Convento de Santa Marta de Jesus, cx. 182, IV/F/165 (5), n.º 89-3; 89-4; SERRÃO - O Arquitecto Maneirista […], p. 23 e LÉON - Os Painéis de Azulejos […], p. 163). A leitura da documentação permite perceber que a capela-mor deveria ser completada com o mesmo padrão já aplicado e do qual hoje apenas resta uma pequena parte, assim como a parede do coro, certamente com o mesmo padrão. Não é claro que as restantes paredes da nave também fossem incluídas nesta campanha, mas o autor da obra "História dos Convento e Casas religiosas [...]" revela, numa descrição de 1707, que a igreja "do arco da capella pera dentro he cuberto de hum azolejo antigo (…) [e que] Por cima dos arcos das capellas veste algum spaço de parede azolejo sobre o qual corre huma cimalha de pedraria". O prazo para a conclusão da obra era de um ano, pelo que em 1639 já a parede do coro deveria estar completa. O azulejador Domingos Pinto foi uma das testemunhas da escritura assinada entre as religiosas de Santa Marta e a Irmandade de Nossa Senhora da Natividade, em que as primeiras prescindiam da capela a favor da irmandade em troca da conclusão da obra da azulejaria da igreja. Encontrando-se envolvido neste acto, é quase certo que Domingos Pinto tenha sido o responsável pela obra de azulejaria, como primeiro defendeu Vítor Serrão (O Arquitecto Maneirista […], pp. 22-23). Tanto mais que o mesmo azulejador aplicaria, cerca de 1654, ladrilho nos confessionários altos e baixos (A.N.T.T., Ex-AHMF, Cartórios dos Conventos, Convento de Santa Marta de Jesus, cx. 182, IV/F/165 (5), n.º 90-7, mencionado in SERRÃO - O Arquitecto Maneirista […], p. 23 e LÉON - Os Painéis de Azulejos […], p. 163).
In the they surprise no fax payday loan are a smaller taxes.




Cronologia

- 1638-03-08 | Cerâmica\Século XVII\Primeira metade\Azulejaria de padrão [Revestimento]
Escritura celebrada entre a Irmandade de Nossa Senhora da Natividade e as religiosas do convento, que prescindem da capela a favor da irmandade em troca da conclusão da obra da azulejaria da igreja. (DGARQ/TT, Ex-AHMF, Cartórios dos Conventos, Convento de Santa Marta de Jesus, cx. 182, IV/F/165 (4), n.º 89, 3 e 4 in LÉON - Os painéis de azulejo sobre Santa Teresa (...), 1993, p. 163). Pelo documento percebe-se que a capela-mor deveria ser azulejada assim como a parede do coro, certamente com o mesmo padrão já aplicado na capela-mor. | Corresponde à manufactura e aplicação da parede 4, secção 2 e à manufactura de alguns azulejos das restantes secções, que pertencem ao mesmo padrão (P-17-0999)


- 1639-00-00 | Cerâmica\Século XVII\Primeira metade\Azulejaria de padrão [Revestimento]
Conclusão do revestimento da capela-mor e da nave com azulejos de padrão, conforme de depreende do documento celebrado em 8 de Março de 1638 que estipulava um ano para a conclusão da obra


- 1900-00-00 | 1950-00-00 | Cerâmica\Século XX [Revestimento]
Assentamento dos azulejos na configuração actual da secção 1




Autorias
- Domingos Pinto - Ladrilhador (Documentado / Atribuído - O azulejador Domingos Pinto foi uma das testemunhas da escritura assinada entre as religiosas de Santa Marta e a Irmandade de Nossa Senhora da Natividade, em que as primeiras prescindiam da capela a favor da irmandade em troca da conclusão da obra da azulejaria da igreja. Encontrando-se envolvido neste acto, é quase certo que Domingos Pinto tenha sido o responsável pela obra de azulejaria, como primeiro defendeu Vítor Serrão (O Arquitecto Maneirista [...], pp. 22-23). Tanto mais que o mesmo azulejador aplicaria, cerca de 1654, ladrilho nos confessionários altos e baixos (A.N.T.T., Ex-AHMF, Cartórios dos Conventos, Convento de Santa Marta de Jesus, cx. 182, IV/F/165 (5), n.º 89-3; 89-4; 90-7, mencionado in SERRÃO - O Arquitecto Maneirista [...], p. 23 e LÉON - Os Painéis de Azulejos [...], p. 163).)




Padrões
» P-17-01018
Marvila | módulo 12x12
[Parede 6]

P-17-01018
Designação: Marvila
Módulo: 12x12
Localização: Parede 6





Ver ficha de Padrão






» B-17-00104
módulo 2x2/2
[Parede 6]

B-17-00104
Módulo: 2x2/2
Localização: Parede 6





Ver ficha de Padrão






» P-17-00462
módulo 4x4/4
[Parede 6]

P-17-00462
Módulo: 4x4/4
Localização: Parede 6
Notas: Paredes 1, 2, 3, 4, 5, 6 [reaplicação]






Ver ficha de Padrão






» F-17-00039
módulo 1x1
[Parede 6]

F-17-00039
Módulo: 1x1
Localização: Parede 6





Ver ficha de Padrão






» P-17-01018
Marvila | módulo 12x12
[Paredes 2, 3, 4, 5]

P-17-01018
Designação: Marvila
Módulo: 12x12
Localização: Paredes 2, 3, 4, 5
Notas: Reaplicação






Ver ficha de Padrão








Informação Técnica

Material
Matéria transformada\Produto cerâmico\Azulejo [Azulejo]


Técnica
Cerâmica de revestimento\Técnicas de decoração\Faiança\À mão livre [Azulejo]
Secções 1 e 2
Cerâmica de revestimento\Técnicas de aplicação\Enxaquetado [Azulejo]
Secção 2


Cor
Amarelo [Pintura]
Azul [Pintura]
Branco [Vidrado]




Bibliografia - Monografias


Bibliografia - Periódicos


Inventariante
- Catarina Figueiredo (2010-06-22, Inventariação in situ)
- Isabel Pires (2010-06-22, Inventariação in situ)
- Patrícia Nóbrega (2010-06-22, Inventariação in situ)
- Rosário Salema de Carvalho (2010-06-22, Inventariação in situ)
- Susana Flor (2010-06-22, Inventariação in situ)
- Vanessa Leal (2010-06-22, Inventariação in situ)
- Ana Almeida (2011-01-03, Inserção da ficha)
- Ana Almeida (2011-01-03, Descrição)
- Ana Almeida (2011-03-22, Inserção da ficha)



Imagens: 19